domingo, 23 de novembro de 2008

Memórias - Fábrica do Algarve Exportador


Em plena laboração.

Fachada lateral já sem o simbolo/emblema da Fábrica. Esta era a casa principal da Fábrica, aqui vivia o José Amaro, muitas vezes eu, ele, o Silvino Viola, o João Domingos, o Zé Carapinha nos encontrávamos para uma guitarrada, e nos reuníamos na passagem de ano juntamente com o Zé Paiva, o Mário, o Jorge Neves, o Jorge Louzeiro, o Albertino, o ToToi, o Toino Nazareno entre outros. Infelizmente o José Amaro e o Silvino Viola, há muito que nos deixaram. Ficou uma imensa saudade, muito dificil de cicratizar.
Aqui no quintal da fábrica, viviam alguns amigos meus, o João domingos, o Jorge Louzeiro, o Albertino, o Alexandre Vidinhas. Muitas vezes aqui vinha ter com eles.
A fábrica já foi demolida.
A Bica, não se sabe onde se encontra, só sobrou a chaminé, imponente, a memória de quem lá trabalhou,a sirene que chamava o pessoal, a "casinha" onde estavam as crianças. A ultima recordação.

Fotografias cedidas pelo Damião Granada

10 comentários:

elvira carvalho disse...

Passei. Deixo um abraço e votos de boa semana.

ALBINO disse...

Ola Chico e todos os bloggers...Eu penso que ate a minha ida para Africa fazia tambem parte dos amigos dessa zona e que me deixa muitas memorias agradaveis.... os nomes que mencionas-te eram normalmente a malta que passavamos muito do nosso tempo livre..
Origado pois pelas fotografias que mexem bem na minha memoria
Abraco

Oriops disse...

novo visual, mais moderno, do blog.

FILIPE JORGE disse...

Hoje ao efectuar mais uma vizita ao teu blog deparei com estas fotos em que nelas recordo o meu velhote que nessa Fábrica trabalhou mais de 40 anos, uma vida,se hoje dia 25.11 estivesse entre nós teria completado 90 anos, foi uma pura coincidência esta vizita neste dia.Como deves calcular lembro-me de todo esse espaço e demais pormenores que descreves, pois,se bem que não habitasse nessa zona, independentemente de ter nascido perto do Farolim, vizitava de vez em quando essas instalações.Um abraço para todos. Filipe Jorge

ALBINO disse...

Ola Filipe jorge onde tens andado? ja estava a sentir a tua falta no blogg... realmente mesmo que por vezes sentimos tera que haver progresso o certo e que estas fotos traz-nos sempre as belas memorias da nossa infancia..e claro do teu pai que passou uma vida nesse local...o Luis deve tambem estar contente.
Abraco

Francisco Germano Vieira disse...

Olá Filipe Jorge

Lembro-me perfeitamente do teu pai, como deves calcular, lembro-me de ele trabalhar no escritório e penso que chegámos a ir à fábrica os dois ter com ele.
Se para outra coisa não servir, que valha para prestar uma pequena homenagem ao teu pai que ali trabalhou a vida inteira.

Um grande abraço

Luis Santana disse...

Ola a todos. Filipe, benvindo de novo a este blog.O Sr. Humberto era uma pessoa muito afavel, nos conversava-mos muito, acerca de futebol e nao so.Chico, quanto as memorias do Algarve Exportador, tudo isso me e familiar pois vivi 21 anos no Bairro dos Pescadores e acompanhei de par e par toda a azafama respeitante a fabrica.Quero mandar um grande abraco para todos os amigos que mencionas-te, alguns ja nao os vejo desde que emigrei. Um abraco tambem ao Damiao, que tem a pachorra de arranjar estas fotos. Devo dizer que a area, agora, esta muito bonita. Um abracao a todos

Álvaro disse...

Qual Zé Paiva?

Por esse nome conheço apenas 2, o pai
que patrão de costa da Armada, que trabalha na Direcção Geral de Faróis, que morava na Travessa de S.João, e o filho, também com o mesmo nome! O primeiro era também conhecido como Zé Filipe.

FGV disse...

Olá Alvaro

O Zé Paiva a que eu me refiro era o filho, o que andou comigo na escola industrial, portanto é o 2º que tu referes.
O nome dele se não me engano e:
José Francisco A. Vieira Paiva.

Anónimo disse...

Obrigada Chico pelo teu espaço.
Olá a todos
Recordações da minha infância.
Estarão sempre presentes os amigos:
Zé Amaro e Silvino Viola.
Então, e os que estão entre nós?
O Vitor Pedro o Márinho (da taberna, hoje Café dos Pescadores). Uma vez (Ano 68/69) um do vosso grupo escreveu-me uma carta de carnaval com algumas quadras. Lembro-me desta:

Uma baixa e girinha
outra alta e sem graça
ainda se juntam as duas
e causam alguma desgraça

Como tinha mandado abaixo o Silvino, chamando-lhe antiquado e velho, atribuí esta carta anónima ao Silvino Viola.
Na verdade as saudades destes amigos são muitas.
Abraços